O Quénia desenvolve uma base industrial sólida pela CAO ter colhido a quinta parte das exportações

Em 2016, os países membros da Comunidade da África Oriental (CAO) representaram a quinta parte do total das exportações quenianas, segundo o último relatório do ICAEW (Instituto dos Revisores Oficiais de Contas da Inglaterra e do País de Gales). Na edição de hoje do Economic Insight: África Q2 2017, o órgão contabilístico e financeiro afirma que o Quênia deverá lucrar de forma expressiva com o maior crescimento económico dos parceiros regionais, pois poderá beneficiar-se do aumento da procura advindo dessas economias.
 
NAIROBI, Quénia, 5 de julho de 2017, -/African Media Agency (AMA)/- O relatório, feito ao pedido do ICAEW e elaborado pelo órgão parceiro e prognosticador económico, Oxford Economics, apresenta uma breve análise dos desempenhos económicos da região. O parecer centra-se especificamente no Quénia, Tanzânia, Etiópia, Nigéria, Gana, Costa do Marfim, África do Sul e Angola.
 
cbk graphSegundo o relatório, em 2016 o continente africano representou 41% de exportações do Quénia, enquanto a Europa e Ásia representaram individualmente cerca de 25% do total das exportações. A Uganda ocupou a posição de maior destino único de exportação, representando 11% do total das exportações durante 2016.

Os produtos agrícolas como chá e flores compreenderam a maior parte das exportações. No entanto, embora o país tenha vantagem em termos de valor acrescentado em comparação aos pares regionais, a história não tem paralelo fora da África. Os receitas provenientes desses produtos são, em grande parte, determinadas por fatores como preços mundiais dos produtos e condições meteorológicas internas (os quais afetam a produção), e não necessariamente pelo estado do comércio mundial. 

RELATED  “SDGs: Why UN, governments should infuse community development strategy in implementation”  

“O Quénia deverá beneficiar do crescimento mais acentuado da região da África Oriental, pois encontra-se bem posicionado para aproveitar a procura crescente por bens manufaturados. Ademais, a localização do país, bem como a infraestrutura de transportes relativamente desenvolvida, irão permitir que o país aja como porta de entrada à região da África Oriental”, afirmou Michael Armstrong, Diretor Regional do ICAEW para o Oriente Médio, África e Sudeste Asiático. 

A CAO é considerada o bloco comercial mais progressista da África. As colaborações em infraestrutura regional alcançaram um nível raramente visto no continente, com a construção em curso de um corredor de transportes de 26 mil milhões de dólares norte-americanos, que liga o Porto de Lamu – Sul do Sudão – Etiópia (o LAPSSET, na sigla em inglês). Além disso, a partir de 31 de julho um sistema de Território Aduaneiro Único (TC) terá entrado em vigor em toda CAO, o que irá facilitar o comércio entre os estados-membros mediante a ligação eletrónica dos sistemas de desalfandegamento dos países. O programa piloto, o qual envolve determinadas mercadorias e pontos de entrada, tem gerado resultados positivos e, se executado com êxito, o TC poderá incentivar o comércio na região de forma significativa, reduzindo os custos das atividades comerciais. 
No entanto, o bloco não está livre de desafios, pois recentementea Comissão Económica para a África das Nações Unidas (CEE/ONU) advertiu contra a assinatura do Acordo de Parceria Económica (APE) entre a CAO e a União Europeia (UE) na sua forma actual, o que não constitui um bom indício da implementação do APE. O Quénia deverá ser o país que mais irá perder sem a celebração do acordo. Por não ser classificado como um país menos desenvolvido, não teria acesso aos mercados isento de direitos e de quotas, nos termos da iniciativa “Tudo menos Armas” da UE. 

RELATED  Lesotho’s vulnerability to drought will continue without increased investment in resilience, says IFRC President

Os obstáculos não pautais são outra grande preocupação para os estados-membros da CAO. Uma ferramenta de monitoramento identificou 19 obstáculos não pautais que continuam por resolver. Esses variam desde restrições sobre exportações de carne bovina queniana a Uganda, às exigências de registos, novas rotulagens e novos testes das mercadorias, já certificadas por outros estados parceiros, sobre as empresas que exportarem à Tanzânia. 

Para leitura completa do Economic Insight: Africa, queira clicar em: http://www.icaew.com/en/technical/economy/economic-insight/economic-insight-africa


Distribuído pela African Media Agency (AMA) em nome do 
ICAEW.
 
INFORMAÇÕES À MÍDIA: 
Jamie Douglass 
ICAEW Press Office (assessoria de imprensa do ICAEW ), 
Tel: +44 (0)20 7920 8718 ou correio eletrónico: James.Douglass@icaew.com 

Corazon Sefu Wandimi, 
Tell-Em Public Relations East Africa (relações públicas da África Oriental) – 
Tel: (+254) 20 260 9990 ou correio eletrónico: corazon.sefu@tell-em-pr.com 

NOTAS AOS EDITORES: 

Sobre o ICAEW 1

O ICAEW é uma importante organização de afiliação profissional no mercado, o qual promove, desenvolve e dá suporte a mais de 147 mil revisores oficiais de contas em todo o mundo. Proporcionamos qualificações e desenvolvimento profissional, partilhamos conhecimentos, percepção e perícia técnica, e protegemos a qualidade e integridade da profissão contabilista e financeira. 

Na capacidade de líderes em contabilidade, finanças e empreendimentos, nossos membros possuem os conhecimentos, competências e compromisso necessários à preservação dos padrões e integridade mais elevados. Juntos, contribuímos para o sucesso de indivíduos, organizações, comunidades e economias ao redor do mundo. 

Graças a nós, as pessoas podem fazer negócios com confiança. 

2. O ICAEW é membro fundador do Chartered Accountants Worldwide (Revisores Oficiais de Contas no Mundo) e da Global Accounting Alliance (Aliança Contabilística Global). 

Sobre a Oxford Economics 

A Oxford Economics é uma das principais firmas de consultoria do mundo, a qual presta análises sobre 200 países, 100 indústrias e 3 mil cidades. Sua ferramenta analítica proporciona a capacidade única de fazer previsões das tendências econômicas e dos impactos econômicos, sociais e empresariais inerentes. Com sede em Oxford, na Inglaterra, centros regionais em Londres, Nova Iorque e Singapura, bem como escritórios ao redor do mundo, a Oxford Economics emprega uma das maiores equipas mundiais de especialistas em macroeconomia e liderança de pensamento.

RELATED  S Africa remains silent as Grace Mugabe leaves country

The post O Quénia desenvolve uma base industrial sólida pela CAO ter colhido a quinta parte das exportações appeared first on African Media Agency.


Source: AMA

Related Post

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *